Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Histórico
Início do conteúdo da página

Histórico

Acessos: 12537

 

HISTÓRICO DA 17ª BRIGADA DE INFANTARIA DE SELVA

 

Historicamente, a presença do Exército nesta parte da Amazônia Ocidental remonta ao século XVIII, inicialmente com o Fortim de Nossa Senhora da Conceição, criado em 1760, às margens do rio Guaporé, e, a partir de 1783, com o Real Forte Príncipe da Beira, construído cerca de dois quilômetros rio acima.

Apesar da carência de registros históricos, sabe-se que o Forte Príncipe da Beira teve uma guarnição permanente até o final do século XIX, quando foi desativado por medida de economia.

A 17ª Brigada de Infantaria de Selva (17ª Bda Inf Sl) tem como origem os Contingentes Especiais de Fronteira, instituídos em 1932, oriundos do 27º Batalhão de Caçadores, atual 1º Batalhão de Infantaria de Selva, situado em Manaus, AM, que reocuparam a área do Forte Príncipe da Beira e se instalaram em Guajará-Mirim e Porto Velho.

Os Contingentes Especiais subordinaram-se à Inspetoria dos Contingentes Especiais de Fronteira Guaporé-Mamoré, cujo inspetor era o Capitão Aluízio Ferreira, o qual também acumulava a função de Diretor da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.

Em 1933, quando efetivamente implantado, o Contingente de Porto Velho se instalou em um galpão da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.

Em 1934, a Inspetoria mudou a designação de Guaporé-Mamoré para Madeira-Guaporé.

Em 25 de agosto de 1935, foi inaugurada parte do Quartel atual da 17ª Bda Inf Sl, onde hoje ficam as instalações da Companhia de Comando, então ocupadas pelo Contingente de Porto Velho.

Em 1937, foi criada a 3ª Companhia/2º Batalhão de Fronteira em Porto Velho e, nesta mesma data, os Contingentes de Guajará-Mirim, Forte Príncipe da Beira e Porto Velho foram transformados em pelotões subordinados à Companhia. O 2º Batalhão de Fronteira se situava em Cáceres, MT.

Em 1940, a 3ª Companhia/2º Batalhão de Fronteira passou a ser denominada 3ª Companhia Independente de Fronteira, para, em 1948, passar à 3ª Companhia de Fronteira.

Em 1954 foi instalado, em Rio Branco, AC, o Tiro de Guerra 191, o qual foi transformado, em 1956, em 4ª Companhia de Fronteira.

Em 1955, o 5º Pelotão de Fronteira, situado em Guajará-Mirim, foi transformado em 6ª Companhia de Fronteira.

Em virtude de uma reorganização do Exército, em 1969 foi criado, em Porto Velho, por extinção da 3ª Companhia de Fronteira, o Comando de Fronteira Acre/Rondônia, tendo as seguintes organizações militares como subordinadas: a Companhia de Comando e Serviço do Comando de Fronteira Acre/Rondônia; a 4ª Companhia de Fronteira, atual Comando de Fronteira Acre/4º Batalhão de Infantaria de Selva; a 6ª Companhia de Fronteira, atual Comando de Fronteira Rondônia/6º Batalhão de Infantaria de Selva; e o 7º Pelotão de Fronteira, em Forte Príncipe da Beira.

A 17ª Base Logística teve sua origem na criação do Depósito de Suprimento de Porto Velho, o qual foi organizado nas instalações da 3ª Companhia de Fronteira, sendo ativado, de forma ainda bem limitada, em 01 de julho de 1968.

Porém, só em novembro de 1975 que efetivamente o Ministro de Estado dos Negócios da Guerra, de acordo com o que propôs o Estado-Maior do Exército, resolveu organizar e criar o Depósito de Subsistência de Porto Velho (DSPV), ampliando sua capacidade de apoio.

A partir de 1º de setembro de 1992, tal Depósito passou a ocupar as instalações localizadas à rua Pinheiro Machado Nr 2243 - São Cristóvão, em Porto Velho.

Em 1º de novembro de 1993, o DSPV foi transformado na 17ª Base Logística, a qual tinha por missão apoiar as unidades orgânicas da 17ª Bda Inf Sl e demais unidades das guarnições de Porto Velho e Rio Branco.

O 54º Batalhão de Infantaria de Selva (54º BIS) tem suas origens no 1º Batalhão de Infantaria de Selva (1º BIS). Em 27 de setembro de 1973, o 1º BIS enviou o destacamento precursor, no valor de uma Companhia de Fuzileiros de Selva, para Humaitá, AM, sendo este o núcleo do que viria a se tornar o 54º Batalhão de Infantaria de Selva.

Em 31 de dezembro de 1974, a 1ª Companhia do 54º BIS foi transformada em 54º Batalhão de Infantaria de Selva, subordinado diretamente ao CMA.

Em 1976, o 54º Batalhão de Infantaria de Selva passou à subordinação do Comando de Fronteira Acre/Rondônia.

Ainda 1976, o Comando de Fronteira Acre/Rondônia transformou-se em 3º Grupamento de Fronteira, sob o comando de Oficial General, sendo as Companhias de Fronteira transformadas em Batalhões Especiais de Fronteira, e o 7º Pelotão de Fronteira passado à subordinação do 6º Batalhão Especial de Fronteira, atual 6º Batalhão de Infantaria de Selva.

Finalmente, em 1980, o 3º Grupamento de Fronteira recebeu a denominação de 17ª Brigada de Infantaria de Selva e, em 1988, por decreto ministerial, foi-lhe concedida à denominação histórica de “Brigada Príncipe da Beira”.

O 17º Pelotão de Polícia do Exército foi criado em 1984, com sede em Porto Velho, subordinado diretamente ao Comando da 17ª Brigada de Infantaria de Selva.

A 17ª Companhia de Infantaria de Selva é uma subunidade subordinada diretamente ao Comando da 17ª Brigada de Infantaria de Selva. As atividades da Companhia foram iniciadas em 1997, após a chegada dos contingentes que a compuseram, sendo um contingente oriundo do Comando de Fronteira Acre/4º BIS, um contingente oriundo do 54º BIS, e contingentes oriundos da Companhia de Comando da 17ª Brigada de Infantaria de Selva, do 17º Pelotão de Polícia do Exército e da 17ª Base Logística. Recebeu a atual denominação no ano de 2014, sendo que antes se chamava 3ª Companhia do 54º BIS.

O 17º Pelotão de Comunicações de Selva foi criado em 2004, desmembrando-se do quadro de efetivos da Companhia de Comando da 17ª Bda Inf Sl.

Em março de 2013, o 61º BIS, situado em Cruzeiro do Sul, AC, passou a integrar a 17ª Brigada de Infantaria de Selva, tendo recebido a denominação de Comando de Fronteira Juruá/61º BIS em fevereiro de 2019.

Herdeira de um passado de pioneirismo, trabalho e lutas na Amazônia Ocidental, a 17ª Brigada de Infantaria de Selva tem sido a garantia da soberania e da nacionalidade, fatores preponderantes da coesão nacional, na fronteira noroeste do Brasil. Aqui é a Casa do Combatente de Selva Contemporâneo. Selva!


BIBLIOGRAFIA

Boletim Regimental nº 01 – da Inspetoria dos Contingentes Especiais da Fronteira Guaporé-Mamoré, de 02 Jan 1933 – Coletânea de Boletins Internos do Contingente Especial de Fronteira – Porto Velho/RO - 1933.

Boletim Regimental nº 15 - da Inspetoria dos Contingentes Especiais da Fronteira Madeira-Guaporé, de 26 Jul 1934 – Coletânea de Boletins Internos do Contingente Especial de Fronteira – Porto Velho/RO - 1934.Decreto nº 64.885, de 24 de julho de 1969, Define a criação do Comando de fronteira Acre – Rondônia.Decreto nº 77.804, de 09 de junho de 1976, Muda a denominação do Comando de Fronteira Acre – Rondônia para 3º Grupamento de Fronteira.Decreto nº 85.532, de 16 de dezembro de 1980, Extingue o 3º Grupamento de Fronteira.

registrado em:
Fim do conteúdo da página